“Educação Ambiental: da informalidade à construção social” é tema de encontro da EVC Educacional


Evento, que será conduzido pelo engenheiro ambiental João Vicente Lobo, acontecerá no dia 18 de março e abordará a forma efetiva de se aplicar e educação ambiental no ambiente de ensino. Participantes inscritos receberão certificados. Vagas limitadas!

Quando pensamos na ampliação dos conhecimentos adquiridos pelos alunos no cotidiano e através dos avanços da tecnologia e do mercado, acabamos por deixar de lado questões ambientais e como esses avanços e tecnologias estão colaborando para tornar o ambiente em que vivemos mais agradável e saudável para esta e para as gerações futuras. No entanto, é preciso trazer luz para essa questão e essa conscientização só é possível através da educação.

Baseado nessa premissa, a lei n° 9795/99 determina que a educação ambiental deve estar presente em todos os níveis do ensino brasileiro. Assim, ela passa de instrumento informal de disseminação de conhecimentos e atitudes acerca da preservação ambiental para instrumento formal de construção social da sustentabilidade e conservação do meio ambiente como fator de desenvolvimento, aliado às práticas e exigências internacionais.

Mais do que cumprir uma exigência legal, a implantação da educação ambiental, ao lado das ações sociais desenvolvidas pelos estabelecimentos particulares, sobretudo nos ambientes de ensino, torna-se um fator de distinção entre as empresas. De acordo com reportagem recente publicada na revista VOCÊ RH, 74% dos brasileiros preferem consumir produtos e serviços de empresas que tenham programas sustentáveis e 46% estão dispostos a pagar mais por produtos e serviços dessas instituições.

Com as instituições de ensino não é diferente. Na verdade, as empresas do ramo educacional, por razões óbvias, devem ter o protagonismo na implementação das práticas de educação socioambiental no país. O desafio é conseguir implantar a educação ambiental e programas de responsabilidade social, conforme manda a lei, tendo os indicadores de desempenho empresarial como aliados.

Para esses estabelecimentos, bons projetos podem render muitos dividendos, além da preferência do público, da economia no reaproveitamento de recursos, na conservação e nas práticas sustentáveis, facilita também obter financiamento público.


O papel do professor na multiplicação da mensagem da conservação


De acordo com o engenheiro ambiental João Vicente Lobo, quando o professor é capaz de transmitir a didática da preservação para os seus alunos, ele se torna um multiplicador da mensagem da conservação. Sendo assim, a disseminação da informação chega à família e àqueles aos quais tiverem contato com o aluno, que estará contagiado e motivado pelas ações aprendidas. Por isso, é essencial que os estabelecimentos de ensino incorporem aos seus currículos e às propostas pedagógicas ações e projetos que incentivem práticas ambientalmente corretas, em todas as fases de ensino.

“As pessoas pensam que a natureza e seus recursos são infinitos, e as vezes pelo fato de não ver o lixo ou já estarem anestesiadas com a situação de lixo nas ruas, nas praias, nas praças e no mar, pensam que não é um problema tão grande. Daí, quando vão fazer uma coleta de lixo, ou quando veem a realidade do aterro da sua região percebem que o que elas veem é só a ponta do iceberg”, destacou o engenheiro, que também mantém o projeto Minuto Mais Consciente.


Como trabalhar a educação socioambiental nas escolas


Segundo o especialista, é preciso provocar o despertar do aluno para esse assunto de forma leve e natural. De maneira que todos participem das ações por livre e espontânea vontade. Os alunos ao se envolverem nos projetos se tornarão naturalmente disseminadores da mensagem da conservação. “A partir do momento que você traz esse assunto do lixo, da reciclagem, das cooperativas e etc... automaticamente já é relacionado o lado social que está diretamente ligado no formato que vivemos na sociedade (...) A escola precisa ter a sustentabilidade como um de seus pilares, ressaltou.

Na opinião de Lobo, o Brasil está trilhando o caminho certo. Cada ano que passa a taxa de reciclagem aumenta gradativamente. “Nosso país tem leis ambientais que são bem escritas e de certa forma bem aplicadas, porém não são fiscalizadas da maneira que deveriam ser. Isso sim, reflete diretamente no panorama brasileiro quando o assunto é preservação ambiental. Mas, estamos no caminho da mudança, mesmo as vezes parecendo que não. Sempre gosto de enfatizar que eu sigo os pilares da sustentabilidade como padrão, são eles: ambiental, econômico, social e agora cultural. Esses pilares sempre têm que estar alinhados e equilibrados”.


Mas, o que é a tão falada educação ambiental?


Segundo a lei 9.795/99 entendem-se por Educação Ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.


Dialogando com a Educação Ambiental


Consciente da importância dessa temática e cumprindo seu papel de empresa socialmente responsável, a EVC Educacional promoverá um encontro online sobre educação ambiental, no dia 18 de março, com o engenheiro João Vicente Lobo, especialista da área, que mantém o programa MINUTO MAIS CONSCIENTE, projeto que realiza ações voltadas à educação ambiental. O evento será gratuito, terá sorteio de brindes e os participantes inscritos receberão certificado de participação.


Data do evento: 18 de março, 19h30

Palestrante: Prof. João Vicente Lobo

Transmissão: Youtube/EVCEducacional

Clique aqui e inscreva-se


Obs*Certificados apenas serão concedidos aos participantes inscritos previamente

CONTATO


Enviando...
A sua mensagem foi enviada com sucesso!

Para entrar em contato com a EVC Educacional, preencha as informações ao lado, ou se preferir, nos ligue.

Endereço

Avenida Antônio Artioli - nº 570.
Swiss Partk, Campinas/SP
Bloco Locarno - Sala 6

Telefone

Fone: (19) 3278-3084
Celular (11) 99770-2701